Exibindo 49–60 de 122 resultados

A filha da outra

R$45,00
A Filha da Outra é uma homenagem póstuma à memória da avó materna do autor, Amália Baptista de Souza, contadora de “causos” que iluminaram sua infância na (então) pacata Maringá, onde nasceu. De sua condição de vida, mulher sofrida, aposentada pelo FUNRURAL, mãe de dezoito filhos, enterrou a dezessete antes de embarcar, junto a Caronte, para a última viagem. Somente isso já seria absurdo, não fosse a vida capaz de artimanhas ainda maiores. Dos dezessete, quatorze eram bebês, vitimados pelo famoso mal de sete dias, o tétano neonatal. Se esses elementos biográficos já dariam um caldo, mesclados à história do homem sem tripa, que Luiz Renato ouvia desde os quatro ou cinco anos de idade, pensa o autor que garantiram o tempero necessário para a trama, acrescidos ainda, é bem verdade, de dois fetiches que o acompanham desde há muito: uma enfermeira e uma caixa de supermercado.

História de Mato Grosso: ensino médio e concursos

R$52,90
O livro traz a história de Mato Grosso, desde as narrativas dos primeiros portugueses que chegaram ao Brasil no século XVI, até os fatos que marcam a contemporaneidade mato-grossense. A obra está dividida em três partes: Colônia, República e Nova República, onde ao término de cada uma das partes, há a proposta de autoavaliação do leitor, através de atividades elaboradas pela própria autora, além daquelas extraídas de vestibulares de universidades públicas e privadas dos Estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e de outros concursos.

Na pele

R$63,00
Na pele foi escrito durante a pandemia do Covid-19. A obra traz as mudanças nos dias de confinamento da autora poetisa, seus fluxos e percursos. Diz Luciene: “nas primeiras semanas desse aquilombamento, com raras saídas e nenhuma visita, minha garganta entrou em colapso; meu coração de poeta percutiu numa batida que me atravessou inteira: eu queria falar sobre ser preta, queria dialogar com os pretos do meu hoje; através dos meus versos, queria conversar com os viajantes da Rota da Melanina. Urgia. Na TV, estarrecida, vi joelhos sobre pescoços negros: sincronicidade: eu também não estava conseguindo respirar... Escrevi estes versos em 61 dias, entre 25/05 e 25/07 de 2020.

A metáfora do olhar: Alberto Caeiro e Manoel de Barros

R$40,00
Sobre a obra ... “Isaac Ramos tece nesta obra uma analise crítica comparativa de obras de Alberto Caeiro, um dos heterônimos mais importantes de Fernando Pessoa, e Manoel de Barros. ... Seja pelo olhar revelador sobre a natureza nos versos de Caeiro, seja pela natureza desconstruída nos versos de Barros, Ramos demonstra que a metáfora do olhar é presença constante, singular e norteadora dessas duas poéticas tão dispares e tão semelhantes. A metáfora do olhar surge para em muito contribuir aos estudos críticos das poéticas moderna e contemporânea, uma vez que a prosa tem encontrado maior acolhimento nos temas de trabalhos acadêmicos, havendo certa resistência ao gênero lírico, injustamente considerado ‘mais difícil’.”

Teias e teares

R$35,00
Teias e Teares é um livro empolgante. Reconcilia-nos com uma ideia de poética simultaneamente popular e erudita. O gozo brincalhão do discurso junta-se ao trabalho precioso e empenhado de ourives que refina e apura o labirinto do oiro. Como metal nobre que se abre ao cinzel da escultura, a palavra flui ligeira e leve, na sua estrutura complexa e densa.

Dez contos paulistanos

R$42,00
Sobre a obra Dez contos paulistanos estica no chão do palco literário um mapa da cidade, onde o olhar do leitor vai localizando bairros, ruas, parques, estações, indústrias. Dessa visão conturbada que enxerga urbanidade e população, Almir Amarante vai jogando luz na densa massa humana, destacando da multidão protagonistas anônimos e suas histórias peculiares. São personagens que retratam cidadãos comuns com trajetórias às vezes tão semelhantes às de tantos outros e às vezes tão incomparáveis. Seus sentimentos profundos, suas percepções, falhas, audácias, idiossincrasias vão sendo destacados da amálgama da cidade de concreto, com gente de todos os estratos sociais, culturais e econômicos e fundamentalmente humanos. É da inspiração com delicado olhar sobre as pessoas que de fato fazem uma cidade pulsar e definir-se, que Almir constrói os momentos que nos fazem rir, chorar, comparar e especialmente refletir sobre a vida.   Texto de contracapa “Um filete dourado tocou devagar os ombros do Pico do Jaraguá naquela aguardada manhã de dezembro e, aos poucos, foi ganhando altura até chegar ao topo. Vários filetes se somaram ao primeiro e, em poucos minutos, a cidade estava toda tomada por uma intensa luz, deixando o céu com uma tonalidade que há muito tempo não era vista por seus habitantes. Para aqueles que esperavam pela data, aquela alvorada significava o prelúdio de um dia mais do que especial. Para o resto da população, aquele era mais um dia de trabalho que teriam pela frente, mas com uma atmosfera diferente dos dias comuns. São Paulo parecia menos agitada e ruidosa. Os carros menos apressados e o centro menos acinzentado. O cheiro da cidade era outro, as sombras das árvores projetadas no chão produziam uma sensação de aquecimento no ar da manhã ainda fresco. Talvez aquele agradável fenômeno fosse o resultado da soma de todas aquelas imagens, sons e cheiros à atmosfera de fim de ano.”

Matogrossismo: questionamentos em percursos identitários

R$64,90
Olga Maria Castrillon-Mendes é professora e pesquisadora aposentada da Unemat-Cáceres; do Instituto Histórico e Geográfico de Cáceres; e da Academia

Recuerdos de mi abuela & outros estilhaços em charla

R$44,90
Mário Cezar Silva Leite apresenta-nos em Recuerdos de mi abuela & outros estilhaços em charla um caleidoscópio: seus estilhaços de vidro colorido multiplicam ritmos, corpos, registros linguísticos, temporalidades e gêneros literários os mais variados, construindo dessa forma um pequeno e vibrante mundo no qual memória, ficção e realidade são (ainda que por alguns instantes) uma coisa só. Ler os cinco estilhaços que compõem este livro significa integrá-los aos mornos afetos de nossos corpos, ter a Abuela, Paulo e Tadeu no mesmo campo fresco da memória onde estão, meio apagados pelo tempo, nossos amigos de infância, nossos primos nunca mais visitados e nossos brinquedos descamados. Tê-los, enfim, entre nossos próprios recuerdos.

A Nova Defensoria Pública e os Desafios Contemporâneos da Inteligência de Estado

R$49,00
A obra é formada por 12 artigos, que tratam dos novos desafios os quais demandam novas ações e inéditas estratégias no âmbito da Defensoria Pública. Do planejamento à execução de atividades relacionadas à gestão e às ações finalísticas, o foco principal é o cumprimento das funções institucionais de forma produtiva e eficiente. Não há mais espaços para os “achismos” e as improvisações tão nefastas ao bom desenvolvimento de estruturas da Administração Pública. A construção desse novo paradigma pressupõe a implantação de uma inovadora cultura, calcada em práticas como prevenção, produção qualificada de conhecimento, análise de cenários, avaliação de riscos e proteção de dados, além do emprego de técnicas e equipamentos para o aperfeiçoamento da segurança institucional. Nada mais justo e adequado, pois, que uma Instituição de Estado, permanente e essencial, se fortaleça com ferramentas de Inteligência, visando identificar ameaças, riscos e oportunidades ao bom desenvolvimento de suas funções em benefício da sociedade. A incorporação da Inteligência nas atividades institucionais da Defensoria Pública é algo imanente à importância estratégica da própria instituição, mesmo porque, na defesa da dignidade humana, fundamento de nossa República, a atuação funcional dos seus membros, por vezes, incomoda agentes e grupos que ousam perpetuar a realidade de violações atentatórias aos interesses da nação.

…já não podem ser amanhã

R$41,00
...já não podem ser amanhã de Ângela Coradini é um discurso amoroso, travado por uma voz poética feminina que se dirige ao interlocutor amado, chamado simplesmente de “você”. Nesses poemas sem títulos, numerados de 1 a 51, os versos são curtos como se fossem sussurros, pronunciados perto dos ouvidos de quem se ama. O leitor esbarra numa releitura contemporânea das cantigas de amigo medievais, mas agora a voz que se impõe é realmente a de uma mulher (e não a de um homem falando por ela). Uma mulher que sofre e deseja. Uma mulher que assume o papel de autora da própria vida e dos próprios versos. Essa é Ângela Coradini, nos apresentando os amores como são hoje e que já não podem ser amanhã.

Coração Madeira

R$54,90
Ao deixar para trás o sul do país e empreender a Marcha para o Oeste até o inóspito sertão Amazônico, a jovem protagonista atravessa também as fronteiras entre o medo e a coragem, a dúvida e a certeza. Uma travessia em que ela descobre a força ancestral de uma voz que a chama para a construção do próprio destino. Os limites do patriarcado são as árvores mortas que ela transforma em árvores vivas para tecer sua nova história, agora matriarcal. Raízes de memórias e galhos do presente, às vezes espinhosos, outras suaves, mas sempre cheios de potência de vida, são entrelaçados em um romance costurado com organicidade e os fios luminosos da poesia.

Paraíso em fuga

R$39,00
Fortunato vive um casamento em crise. Para escapar do cotidiano que tanto o angustia, decide viajar para um lugar paradisíaco, longe de tudo e de todos. A fuga do empresário vai levá-lo a uma ilha cuja comunidade acolhe os visitantes com extrema gentileza. Impressionado com os anfitriões e com o esplendor da paisagem, Fortunato pensa ter encontrado o paraíso, porém de forma diversa da que esperava. O conto de Eduardo Mahon desacomoda os leitores, desafiando-os a rever conceitos até então inquestionáveis.