Exibindo 1–12 de 22 resultados

Diamantino de Geoge H. Langsdorff (1827/28), Francis Castelnau (1844/45) à redescoberta dos diamantes – 1930/40

Livro disponível apenas para download gratuito, neste site. O livro trata de aspectos e momentos específicos de duas grandes expedições científicas que vieram ao Brasil no século XIX: a do barão de Langsdorff (1821/29) e a do conde de Castelnau (1843/47). Ambas, por caminhos e com propósitos distintos, estiveram em Mato Grosso e alcançaram a Vila de N. Sra. da Conceição de Alto Paraguai Diamantino, que é o objeto central da publicação. Na sua última parte os autores tecem reflexões sobre a fase da história de Diamantino conhecida como de crise econômica (1850/1940). Propõem ao leitor relativizar a ideia da estagnação e o convidam a refletir sobre aquele período como de reordenamento das formas de viver de seus moradores.

Dias de águia

R$64,80
Após uma sequência de acontecimentos desfavoráveis, um homem de meia-idade se sente limitado à sua vida monótona, padrão e sem perspectivas. Incorformado, subitamente decide dar um basta, fugir do passado e buscar novos rumos. Em sua viagem sem planos de volta, passa por várias cidades do Brasil, vivenciando situações desafiadoras. Mesmo sentindo enorme dificuldade para lidar com seus conflitos internos, depara-se com uma invejável facilidade de adaptação e incrível espírito empreendedor em negócios de sucesso. Mas toda sua aventura não basta, o que de fato sempre procura é sua real identidade e valorização da autoestima.

Darkness

R$60,00
Foi durante uma madrugada, após um inesperado e indesejável encontro que terminou com a morte do seu assediador, quando Sofia decidira tentar fazer a diferença. Em um país feito o Brasil, onde tudo parece ser fácil demais, ela jamais podia ima- ginar, que, por trás de tantas impunidades, havia alguém a observando. Não era uma disputa intelectual. Sofia decidiu dar início à uma guerra, contra os criminosos do país e também contra si mesma. Maldita revolta... Nem mesmo ela esperava ter chegado onde chegou.

Agnus Dei – A voz dos sinos

R$66,90
Era um tempo cinza, às vésperas do Golpe Militar de 1964, mas em São João Del-Rei, nas Minas Gerais, o badalar dos sinos das igrejas marcava o compasso e o descompasso de uma história poética, sinistra e, sobretudo, surreal. A Voz dos Sinos é um relato-testemunho do personagem Julian, filho caçula do comendador Coriolano Gregory, pai tirano, cínico, sensual, abusado e com um passado obscuro. A trama envolve mortes, suspense e mistérios sincronizados com o ressoar dos sinos da cidadezinha encravada em um cenário colonial que se esvai afunilando tudo para um desfecho ilógico dos fantasmas de uma antiga Ordem de Cavalaria Medieval.

Agnus Dei – No mar de agua doce

R$72,80
No Pantanal, o ritmo das águas rege a vida e os sentimentos em um oceano adocicado pela paixão. O romance vivenciado na década de 1930, no bucólico arraial de Poconé, fundado em 1777, a 100 quilômetros de Cuiabá, capital de Mato Grosso, é uma grande paixão que se fundiu aos mistérios da maior planície alagada do Planeta. Agnus Dei - No Mar de Água Doce resgata o cotidiano rural pantaneiro que se perdeu no tempo. A cultura, a culinária e o modo peculiar do falar são os temperos da lida com o gado, das conduções de boiadas, caçadas, pescarias, histórias de assombração, tramas, vidas que chegam e que vão. Ficção e realidade dividem a mesma canoa imaginada pelo autor.

O elo perdido

R$66,00
O elo perdido – o primeiro livro de poesias de Mato Grosso, trás a tona e analisa sob o ponto de vista literário e histórico a obra Harpejos Poéticos, originariamente estruturada como uma antologia das poesias do autor Joaquim José Rodrigues Calháo, publicadas em jornais da época entre 1877 a 1884 e que compiladas, deram origem ao livro, impresso na Typographia d’O Matto-Grosso, em 1891.

Guia de identidades da Cuiaba contemporanea

R$40,00
O guia busca se aproximar de manifestações compreendidas como patrimônio cultural mate­rial de Cuiabá, independentemente de serem registradas formalmente como tal, na tentativa de se conhecer e re­conhecer, na cidade, identidades contemporâneas cuiaba­nas. Não é uma questão de patrimônio vinculado apenas a expressões formais ou “legítimas”, mas incluir na leitura outras formas de expressões culturais ainda não apontadas oficialmente. O guia é um exercício de olhar sobre a espacia­lização, de busca pelas pérolas que a cidade guarda, um exercício para a compreensão das identidades da Cuiabá contemporânea pelos caminhos da urbanização, arquitetura e cultura.

Uirapuru

R$60,00
O sertão é coisa... O sertão não tem definição. É alma e coração. Uirapuru, Terra do Adeus... é um credo sertanejo. Ainda não dá para afirmar que o Brasil seja totalmente urbano, mesmo as áreas mais adensadas do país sofrem influência do modo de ser do caboclo, ao menos em algum comportamento. Temos pontualmente a música, costumes e linguagem, como determinantes dessa presença indiscutível. A narrativa apresentada em terceira pessoa, onde o narrador se apresenta em determinados momentos, quase imperceptível para um leitor menos atento, que se esquece de sua presença inicial, e não o identifica sentado em uma mesa, ou ouvindo uma história da boca dos naturais, ou lendo em dados registrados. Passaram-se pouco mais de oitenta anos desde a criação de uma estratégia de interiorização, o programa “Marcha Para o Oeste”, um ousado plano de inclusão territorial, social, com projetos de desenvolvimento criados para estimular uma maior presença humana brasileira no Centro Oeste e Norte do país. Todavia, os processos migratórios não obedeceram necessariamente a vontade governamental, e nesta situação muitas histórias diametrais e conflitantes passaram pela vida/tempo, deixando e levando sua marca. O choque e o descaso do progresso, que vem com máquinas barulhentas, empurrando os que não se adaptam e premiando quem entende e se alia ao mesmo. O progresso não reconhece passado, ou pioneirismo. O progresso é a marcha necessária que pisoteia o despreparo. UIRAPURU, TERRA DO ADEUS. Auto do Sertão: O Evangelho de João da Cruz. É uma história urgente, hilária, lacônica. É o Brasil se descortinando.   O autor

As utopias e resitências de Pedro Casaldáliga: Escritos escolhidos

R$48,90
A obra traz uma importante contribuição ao campo da crítica e história literárias, permitindo o acesso integral à personalidade de Dom Pedro Casaldáliga (1928-2020), seja pela diversidade de abordagens e pelo trabalho sistemático na conjunção de fontes sobre o tema, seja pelo conjunto de poemas, entrevistas e dados relacionados à vida e à obra de Casaldáliga:  bispo, poeta e com expressiva atuação política, cujo horizonte era o povo da região brasileira do Araguaia – isto é, os pobres, os posseiros, os negros e os índios.

A Literatura Contemporânea em Mato Grosso

R$69,00

Mato Grosso Com Representação: Imagens e Conflitos

Gerações Literárias:

Atravessamento e Contaminação

AML: O projeto Literário Mato-grossense

O Academicismo Mato-grossense

Cuiabanocentrismo

Antecedentes do Antiacademicismo:

O Nascimento da Geração Coxipó

Os Períodos da Nova Tribo:

Revista Vôte

Estação Leitura e a Luta de Wander Antunes por Leitor

Revista Fagulha

A Tradição que vive no passado

A Crise da Legitimidade da AML

Produção Coletiva da Geração Coxipó:

Desvaneios Poéticos - Prêmios Regionais

Fragmentos de Gerações

O Projeto Palavra Aberta

Lamento - Identidade e contemporização

Mulheres silenciadas e vozes esquecidas: três séculos de poesia feminina em Mato Grosso

R$49,90
A obra retoma a produção lírica feminina através de textos escritos no século XIX e no decorrer da primeira metade do XX por mulheres poetisas, em Mato Grosso, como participantes expressivas da literatura produzida no estado. A ausência de boa parte das poetisas nas historiografias locais denuncia uma espécie de pressão silenciosa no interior de um processo ocorrido em periodos de emancipação e libertação. Ora, os desdobramentos equivocados de pesquisas parciais, que se definem como historia ou historiografia da literatura produzida no estado demarcaram e demarcam, para a lírica de autoria feminina, os limites de uma historiografia do silenciamento.