Carlini e Caniato MARTA COCCO Sabado CAPA

Um poema narrativo de 30 estrofes passando pelos acontecimentos de um único dia. É o que espera o leitor no livro “Sábado”, da escritora Marta Helena Cocco. A obra, publicada pela Carlini e Caniato Editorial em 2011, está disponível para todo o Brasil no site da editora.

“Sábado” é o quinto título de poesia de Marta Cocco. A narrativa lírica inicia-se ao amanhecer, entre o despedir-se da lua e o nascer do sol. Pode-se ver aí uma espécie de mote, segundo o qual o feminino envolve o masculino, que no entanto necessariamente renasce, no dia seguinte, na fase seguinte, para voltar a se recolher em seguida.

foto marta

Em uma resenha sobre o livro, a poetisa e membro da Academia Mato-Grossense de Letras (AML), Lucinda Persona, escreveu: “A autora mergulhou na atmosfera magnética de um sábado e o atravessou em todo o seu conteúdo imprevisível, emergindo, ao final, intensa do desejo de zelosamente recordá-lo. No extenso poema, dividido em trinta cantos, configuram-se transmutações na rota escolhida, imagens formando novas imagens. O sonho não apenas caminha paralelo à realidade num espaço-tempo, mas vai transmutando o que serve de matéria. A partir de certos insumos, são elaboradas substâncias mais complexas, resultando numa apurada química”.

De acordo com o escritor Rômulo Netto em outra resenha, a obra revela certa ternura ao retratar o dia em questão. “Ainda que seja o retrato fiel do que ocorre em nosso dia a dia, há um quê de ternura em cada poema. Não se trata de uma ternura explícita. É preciso ter a lente mental aguçada para adentrar nos entre versos de cada canto”, escreveu Netto.

Sobre a autora

Marta Cocco nasceu em uma colônia de italianos em 1966, hoje município de Pinhal Grande (Rio Grande do Sul). Em Santa Maria (RS), graduou-se em Letras (1987) e Zootecnia (1991). Veio para Mato Grosso em 1992.

Mestre em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal de Mato Grosso e doutoranda em Letras e Linguística Universidade Federal de Goiás, é professora de literatura da língua portuguesa na Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat).

Publicou os livros de poesia “Divisas” (1991), “Partido” (1997), “Meios” (2001 – Prêmio Mato Grosso Ação Cultural) e “Sete Dias” (2007), e também “O ensino da literatura produzida em Mato Grosso: regionalismo e identidades” (2006) e, com Rosana Rodrigues, organizou a antologia poética “Nossas vozes, nosso chão” (2011).

Prêmio Mato Grosso de Literatura

Em 2016, Marta Cocco lançou seu primeiro livro de contos: “Não presta pra nada”. A obra é uma das vencedoras do Prêmio Mato Grosso de Literatura 2015/2016. Você pode saber mais sobre o título clicando AQUI.

“Sábado”

Para adquirir o livro “Sábado”, basta entrar no site da Carlini e Caniato Editorial clicando AQUI.

(Da Assessoria)