Depois de aventurar-se pela poesia, por histórias infanto-juvenis, hai-cais, teses e dissertações, a escritora Marta Cocco começa o ano desbravando um novo gênero: Os contos. Em abril, será o lançamento de seu livro “Não presta pra nada”, coletânea de 12 contos, sendo onze deles narrados por mulheres. A obra é a décima primeira publicação de Cocco.

“Quis dar essa ênfase às mulheres, inclusive dedicando o livro especialmente àquelas que não puderam e, ainda hoje, não podem estudar. Acho que uma das piores violências imputadas à mulher, historicamente, foi a privação do direito de aprender a ler e a escrever e, consequentemente, a privação da autoria de suas histórias”, disse a escritora.

“Não presta pra nada”, que será publicado pela Carlini e Caniato editorial, é a estreia de Marta Cocco na prosa literária. Segundo a autora, os contos são predominantemente dramáticos, alguns com uma pequena pitada de comédia. “Mas a tragédia predomina”, esclareceu ela. A escritora também contou que uma das presenças fortes nesta coletânea de contos é a figura materna. “Acho que um dos grandes equívocos da cultura ocidental é colocar a figura da mãe num papel secundário em relação ao do pai. Isso é a causa de muitos desequilíbrios que vivemos”.

A ideia desta obra surgiu sem pretensão, do ato de escrever e reescrever, com muitas rascunhos terminando no lixo. Marta Cocco, no entanto, sentiu que algumas destas histórias a chamavam para a escrita. “Eu sentia que precisava contar aquelas coisas. Há, nas histórias, um misto de verdade e invenção”, afirmou.

A imagem da capa de “Não presta pra nada” ficou a cargo da artista plástica Capucine Picicaroli. De acordo com Cocco, que afirmou estar há um tempo “de olho” no trabalho de Capucine, o traço suave e as cores festivas do trabalho da artista seriam perfeitos para suavizar a dor presente na narrativa dos contos.

 

Prêmio Mato Grosso de Literatura

O livro “Não presta pra nada” é um dos dez vencedores do Prêmio Mato Grosso de Literatura. O lançamento oficial, com a presença de todos os premiados, do Governador do Estado, Pedro Taques, e do Secretário de Cultura, Leandro Carvalho, será em abril, no Palácio Paiaguas. Marta também pretende fazer um segundo lançamento em Tangará da Serra, cidade onde reside.

“Como escritora, professora de literatura e cidadã, estou muito feliz com a iniciativa do governo de lançar esse prêmio. Ele estimula a produção, garimpa e valoriza talentos e promove a circulação das obras. A longo prazo, essa valorização e apoio cumprem um papel importante na formação das crianças e jovens. Aos poucos, eles começam a perceber que há esperanças, que estudar vale a pena, que há espaço para a expressão da arte”

Além de projetos literários, a Secretaria de Estado de Cultura selecionou trabalhos de grafite, música, teatro, dança, circo, artes visuais, audiovisual, tradições MT, territórios MT, quadrinhos MT e MT Criativo. Ao todo, os investimentos somam R$ 3,4 milhões.

 

Sobre a autora

Marta Cocco

Escritora e professora, Marta Cocco é também membro da Academia Mato-Grossense de Letras (AML), onde ocupa a cadeira de número 18. Marta Cocco nasceu em Pinhal, no Rio Grande do Sul. Foi em Santa Maria que seu primeiro livro, “Divisas”, foi lançado, quando tinha 25 anos de idade. Depois da publicação de sua primeira obra, Cocco mudou-se para Mato Grosso. Atualmente, reside em Tangará da Serra.

Pela Carlini e Canitato editorial, também já publicou “Sábado ou cantos para um dia só” (2011) e “Doce de formiga” (2014).

 

Por Stéfanie Medeiros