• O homem do país que não existe

    R$43,00

    Aproveitando que está adiantado para o serviço, Santiago Ayza vai à barbearia. Ao tentar pagar, descobre que algo está errado. Tudo o que conhecia havia se transformado radicalmente. O romance de Eduardo Mahon oferece uma provocação existencial que se desdobra em projeto político. Enquanto o protagonista tenta provar que seu país de origem existe, todos os demais personagens lutam por desacreditá-lo. Antagonizando vida e fantasia, surge a esperança de misturar ambas e criar algo completamente novo para os cidadãos que convivem com o estranho Santiago Ayza.

  • R.S.V.P

    R$39,00

    Depois de décadas fechado, um luxuoso palacete reabrirá. Para o jantar de recepção, poucos convidados receberão o luxuoso envelope e lá saberão o dia e a hora do encontro. Mas… Quem os convida? E por quê? O conto de Eduardo Mahon mais uma vez coloca em xeque a lógica convencional e ironiza a necessidade humana de explicações racionais. Ao se aproximar do improvável, o autor pressiona o público a olhar com atenção para delicados problemas da sociedade brasileira e o jogo de aparências que a domina. Dessa vez, o fantástico está diante do leitor. Basta se sentar à mesa e devorá-lo.

  • Repartição

    R$39,00

    Expedito Simões é um funcionário comum. Faz parte de uma multidão de anônimos que vivencia um trabalho burocrático e maquinal. Sem qualquer razão aparente, recebe uma promoção e se torna coordenador de seu departamento. Inicialmente, acomoda-se mal na sala que não parece ter sido feita para funcionários comuns como ele. A partir de então, o protagonista precisa conviver com a própria angústia por não ter mérito algum. Eduardo Mahon prossegue a coleção Contos Estranhos com um texto que impõe a ruptura da lógica cartesiana. Uma boa dose de ironia é usada pelo autor para equilibrar o incômodo sentimento humano diante do inexplicável. Afinal de contas, até onde chegará Expedito Simões?

  • Não presta para nada

    R$39,00

    Quem ler este livro, imediatamente, discordará do título a ele atribuído. Ideia sobre ideia, sentimento sob sentimen­to, explícito atravessado pelo subliminar, dito e oculto numa dança perfeita fazem destes contos um bordado delicado e forte: um encontro de mulheres sábias e surgem as dores e o esquecimento, mas também o amor à família e a sabedoria; as dificuldades da criança em enfrentar o mundo cruel e discri­minatório e o desabrochar da amizade; um assalto, um relato e a descoberta dos perigos que as mulheres enfrentam no cotidiano, vivendo ou sobrevivendo; o abandono na velhice, a ganância humana e a catarse pela escrita…

  • Conferência no cerrado

    R$42,50

    Conferência no Cerrado é uma narrativa infantojuvenil com temática voltada à questão ambiental. A história, escrita originalmente por Durval de França e recriada por Cristina Campos, tem como protagonistas seres encantados que povoam o imaginário de culturas tradicionais da Baixada Cuiabana: Currupira, Pé de Garrafa, Negrinho D’Água, Mãe do Morro, Tibanaré e Boitatá.

  • Antologia de narrativas dos povos indígenas de Mato Grosso

    R$42,80

    O mosaico apresentado nesta antologia emerge a partir das vivências interculturais e revela aspectos da visão de mundo de povos originários não só sobre a origem de alguns elementos da fauna e da flora, mas também sobre como explicam algumas crenças e certos costumes. É fruto da sensibilidade de se reconhecerem diferenças; na importância de se valorizarem os relatos orais utilizados por povos originários como forma primeira de expressão e preservação cultural; no respeito às línguas originárias e na (inter)relação delas com a língua portuguesa utilizada na sociedade envolvente; no respeito às cosmologias, modos de ser e de bem-viver de cada povo.

  • O bibliófago e outros contos

    R$36,00

    A autora Isabela leva os leitores para cá e para lá em sua prosa rápida e direta. E sem medo de inventar histórias. Uma marca dos contos são as possibilidades. Ela dá vida a estes contos sempre com o E se…
    E se fosse possível alguém levitar? E se fosse possível a morte pedir carona?

  • Vira e mexe, um pet

    R$46,00

    Em “Vira e mexe, um pet”, os leitores percorrem as páginas do livro como se estivessem caminhando por uma simpática alameda e observassem os gatos que surgem na rua, dentro das casas, nos jardins. Por meio de uma brincadeira com as palavras que designam os gatos por suas pelagens, como rajado, chitado, malhado, tricolor, bicolor, petibanco, frajola, angorá, vamos conhecendo seus hábitos, características físicas, comportamento, manias e muita fofurice.

     

  • O segredo de Marguerite

    R$46,90

    O misterioso desaparecimento de uma bióloga inglesa no centro geográfico do Brasil desencadeia uma busca repleta de pistas enigmáticas, que, num crescendo de suspense, vão sendo reveladas, e as descobertas poderão  mudar o mundo para sempre.

  • Serena

    R$35,00

    Por meio de curvas sinuosas e reveladoras do eu-lírico os poemas em Serena, falam de sentimentos íntimos, profundos e femininos. Percorrem laços familiares, amores, dores e sexualidade.

  • Mato Grosso por Rai Reis (pré-venda)

    R$165,00

    A obra Mato Grosso, de Rai Reis, apresenta imagens multifacetadas de seu Estado natal, o terceiro mais extenso do país, localizado na região Centro-Oeste. Na capital, Cuiabá, pulsa o coração do continente sul-americano, pois se encontra exatamente no ponto equidistante entre os oceanos Atlântico e Pacífico. O centro geodésico da América do Sul foi calculado pelo Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon durante suas expedições, onde se encontra um monumento, o obelisco da Câmara dos Vereadores.
    Cada fotógrafo tem características peculiares, que o distinguem dos demais. Rai Reis aprecia registrar a rica tradição cultural mato-grossense, pois alguns aspectos vêm se alterando e mesmo tendendo ao desaparecimento nos núcleos mais urbanizados. Ele afirma que, à medida que nos afastamos de Cuiabá em direção a certas comunidades do interior, “é incrível, pois cada 10 km rodados implicam um retorno simbólico no tempo de cerca de dez anos; o dialeto cuiabano é tão marcado que é preciso apurar os ouvidos para entender o que se diz; os costumes antigos e as festas estão ali, preservados, uma coisa linda de se ver!”. E completa: “Gosto de fotografar pessoas em situações típicas, fazer esse registro etnográfico, porque não sabemos até quando isso vai durar…”.
    De um grande volume de fotografias tiradas a partir de 2010, Rai Reis cuidadosamente selecionou imagens especiais, em qualidade e conteúdo, para compor esta obra. O critério aleatório, com certeza, incorporou o lado emocional do artista, ao se lembrar de momentos únicos, flashes de instantes registrados em sua trajetória profissional.

  • Doce água doce

    R$48,60

    Doce água doce é um livro imagem que aborda a importância dos cuidados com o meio ambiente, especialmente as águas, nossa fonte de vida, muitas vezes tão negligenciadas. No percurso das nascentes à chegada à cidade grande, muitas interferências ocorrem e os maltratos a que sofrem as águas acabam por prejudicar e muito a vida nas cidades grandes.

  • Mascote do caos

    R$40,00

    Mascote do caos  traz “cronicontos” divertidos que misturam ficção e realidade. Assim como sugere o título, um cãozinho, fofo e simpático, mas que “toca o terror” subvertendo a ordem das coisas, os textos de Lucas provocam no leitor(a) essa mesma sensação, pois em sua maioria partem de uma linguagem jornalistica para relatar situações bizarras de forma questionadora, criativa e divertida. Para além dos textos muito bem humorados há a sagacidade da crítica ao modo de vida da sociedade contemporânea.

  • Gula d’água

    R$38,90

    A voracidade poética de Luciene Carvalho em Gula d’Água expressa a sede por amor de uma mulher insaciável, Sede que não se satisfaz com pouco. O amor que permeia a obra se trata de um movimento torrencial. As três partes, intituladas cama, mesa e banho, nos direcionam para o cotidiano feminino, pois seja na cama, na mesa ou no banho sempre é tempo para o amor.

    O amor apresentado na poética luciênica em Gula d’Água, apesar de toda a voracidade, é carregado de intimidade e afetividade, que são demarcadas pelo espaço de convivência em todas as estações do ano, em todas as fases da lua.

  • Doze contos – interpretando a miragem

    R$36,80

    Doze contos – interpretando a miragem evidencia ciclos femininos, pois marca na divisão dos meses do ano a desconstrução da imagem da mulher fixada em regras de comportamentos de cunho moralizante. Luciene rompe com a ideia homogeneizante do ser mulher ao trazer personagens que representam situações cotidianas porém, que nos fazem refletir sobre a situação social da mulher abandonada, da mulher que vive em função do outro, da sexualidade, do incesto e do trabalho. Nesse sentido, refletir sobre a escrita da mulher é se deparar com a revelação do não dito no decorrer da história.